12 Jun

Eu recebi essa mensagem às 16:50, apenas 5 minutos após Pedro se despedir para ir para casa, que era exatamente onde o tiroteio estava acontecendo. Era perto do topo e parte mais pobre do Pavãozinho, uma favela perto de Copacabana. Essa parte da favela tem mais casas de madeira do que de concreto que são vistas mais abaixo do morro. Ele mora lá… nessa parte da favela.

Você só consegue chegar na sua casa (depois de pegar o trem para a estação mais alta) após subir todas as escadas e passar por todas as vielas. Você precisa saber bem o caminho. É um verdadeiro labirinto. É bem difícil dizer onde o tiroteio está acontecendo quando se está no meio das vielas. Eu fiquei muito preocupada de saber que ele estava no meio da favela enquanto recebia novas mensagens sobre o tiroteio.

Pedro (10 anos) mora numa casa de dois cômodos de tijolo e cimento. Ele mora com sua mãe (34 anos), duas irmãs (16 e 14 anos) e seu sobrinho de um mês. Ele tem um irmão mais velho que mora sozinho um pouco mais abaixo do morro.

Ele teve que tomar conta de mais uma criança. Emille. Ela mora perto da segunda estação mas nós não conseguimos entrar em contato com sua mãe. Enquanto esperávamos pela chegada da Emille para planejar uma maneira de ficarmos seguros, eu escutei os tiros. É estranho, você ouve e ainda não consegue acreditar que é de verdade. Claro, não era a primeira vez que eu me deparei com o barulho de tiros, mas estar na favela é uma situação completamente diferente de estar seguro em Copacabana enquanto escuta o mesmo barulho. Emille teve que ser levada pra casa por sua tia.

IMG_2404_2

Emille (11 anos) mora em uma casa de dois cômodos de tijolos e cimento, como Pedro. Ela mora com a sua mãe e seu irmãozinho de cinco meses.

Conforme eu esperava por notícias da mãe do Pedro, comecei a me sentir mal e me bateu uma tristeza muito grande.

Com a presença do tráfico de drogas e o tiroteio constante, é muito difícil crescer e se tornar um cidadão responsável, pacífico e criativos. Trabalhar com essas crianças significa que lidar com seu comportamento imprevisível e eles vem muito agitados e descontrolados. Mais Caminhos criou um programa especialmente para essas crianças que vivem nesse ambiente, incluindo foco no desenvolvimento acadêmico como também no desenvolvimento de suas habilidades comunicativas e sociais.

Finalmente eu recebi a mensagem que Pedro e Emille chegaram bem em casa.

Momentos como esse lembra à nossa equipe de voluntários da verdadeira realidade dessas crianças como também a importância dos sonhos para seu futuro. Vir desse ambiente tem um impacto gigantesco nessas crianças e nós esperamos que o nosso programa tenha um impacto tão grande quanto o de sua vivência e que possamos ajudar a dar as ferramentas para que eles criem um futuro melhor para si mesmos. Graças ao nosso principal apoiador, Caminhos Language Centre, nós podemos dar a essas crianças pelo menos algumas horas por semana em um ambiente totalmente seguro.

Nos siga no facebook e curta a nossa página.